31 de ago de 2009

Às escuras

Quando soube que teríamos que sair às ruas da Vila Brás carregando apenas nossa alma jornalista e a preguiça de um sábado de manhã, pensei que talvez não desse certo a experiência.
A rotina de um veículo de comunicação institucional (Radiovia Free Way) me fez prever o que deve acontecer em uma reportagem, boletim, entrevista, entrada ao vivo. Tudo é sempre produzido ou de improviso quando já sabemos exatamente o que acontecerá, como o rotineiro trânsito lento da BR 116.
Sair apenas com uma ideia na cabeça e sem uma assessoria de imprensa dizendo com qual pessoa é mais indicado falar não faz parte do que vivencio diariamente.
Sei que vão dizer que este não é o papel do jornalista e que o verdadeiro é aquele que ouve as pessoas na rua e vai atrás da informação, enfim... É uma bela utopia, porque a gente sabe que na maioria das vezes vamos acabar nos rendendo ao sistema, fazendo ronda policial nas madrugadas e ficaremos contentes quando algo extraordinário acontecer para que possamos dar "o furo", mesmo que este extraordinário seja a queda de um avião com 200 passageiros.
Enfim... Tudo isso para dizer que deu certo. Caminhamos um pouco, perguntamos para uma pessoa e para outra. Muitas indicações, até que cheguei na fonte perfeita para a pauta que tinha imaginado.
O que aprendi? Que se a gente faz um esforço, a gente consegue. E quem tem boca...

Um ótimo exercício


Nós, estudantes de jornalismo, temos o costume (muitas vezes com razão) de reclamar da distância entre a academia e o mercado de trabalho. As tarefas que cumprimos na universidade geralmente passam longe das nossas obrigações enquanto profissionais. Mas no sábado tivemos um ótimo exercício. A maioria, como eu, nunca tinha ido à Vila Brás, não conheciam ninguém, as ruas, a rotina, nada. Com ideias na cabeça e algumas indicações, tivemos de ir à luta. A nossa missão era não voltar para a sala de aula, na próxima semana, sem uma boa matéria. Para muitos, foi um desafio e tanto e mostrou um pouco da realidade do jornalismo. Não é fácil.

Fui a Vila Brás com o objetivo de encontrar uma família que participasse do grupo de terapia, organizado por uma enfermeira do PSF. O posto de saúde estava fechado, afinal, era sábado. Como o grupo ainda não está em atividades e não consegui indicações de pessoas interessadas em participar, fui atrás de outra pauta para o caderno de saúde. Lembrei de outro grupo de apoio, o dedicado às gestantes. Foi então que, dobrando a primeira quadra, indo em direção à escola, encontrei a Marizete e sua risonha filha Ana Caroline, de oito meses. Era exatamente o que eu precisava.

Como terminar uma pauta não é sinônimo de trabalho concluído, segui pelas ruas da Brás com a colega Bruna Quadros, fotografando, conversando e buscando novas sugestões para as próximas edições do Enfoque. A foto no início do post é da Marizete e da Ana Caroline.... Abraço e boa semana a todos!



Momentos Enfoque Vila Brás

30 de ago de 2009

Bastidores

A visita à Vila Brás neste sábado foi gratificante. Não apenas pelas grandes histórias que descobrimos, mas também pela integração da galera. Vão aí algumas fotos dos momentos 'relax'.

Invadimos a Brás

Sim, no Sábado de manhã, dia 29 de Agosto, literalmente invadimos a Vila Brás. Como nos mostra a foto postada pelo professor Demétrio, não éramos poucos. Chegamos e logo atraímos a atenção da população, que estava pronta pra nos receber e nos auxiliar no que fosse necessário. Seja ao dar um depoimento, nos abrir um local, indicar uma rua ou simplesmente nos dando apoio. Não fosse essa atitude dos moradores, certamente teria sido muito mais difícil cumprir nossas pautas.

Mal havíamos descido do ônibus, eu e o colega Pedro Foss, que aliás, já deu as caras por aqui, saímos em busca das nossas pautas. A primeira delas era sobre a capela mortuária e seu nome em homenagem à Aírton Timóteto Xexéu, que idealizou o projeto quando era presidente da associação de moradores. Porém ele foi assassinado um pouco antes de sua inauguração. Tínhamos uma baita história nas mãos, e fomos em busca dela.

Finalizamos essa pauta às 11:00 horas. Tínhamos meia hora para buscarmos a outra matéria, para o caderno de Saúde. Telefona dali, caminha umas 8 quadras daqui, e chegamos ao nosso destino. Entrevistamos a técnica de enfermagem Carla Martins. Ela trabalha no PSF da Brás e é também moradora da Vila.

Além disso, eu e o Pedro procuramos enriquecer o nosso trabalho. Filmamos todas as pautas para a produção de um vídeo para o TV Enfoque! Isso acabou nos dando um trabalho a mais, mas a satisfaçao foi imensa. Valeu ao Pedro, diretor e cinegrafista, que tornou esse trabalho ainda mais bacana.

E que venha agora a produção em aula, para que o Jornal Enfoque Vila Brás fique logo pronto, e a gente possa ver o resultado e mostrar aos moradores o nosso trabalho. E em breve, vocês verão aqui o nosso vídeo e as nossas pautas. Até!

Bárbara Keller.

A Vila Brás é rock n' roll


Making of: No home studio, Leandro "Dedos de Vento" (E)
e o baixista Di, da banda A Síntese


A Vila Bras é uma caixa cheinha de surpresas. Um lugar com uma energia bacana, com pessoas entusiasmadas com a nossa chegada e dispostas a dividir a sua história com os demais moradores por meio do Enfoque. E não tem como ficar indiferente a esta receptividade.

A maior prova disso são os personagens da minha primeira pauta: dois integrantes da banda A Síntese, uma galera que curte pop rock que, com a ajuda de amigos, parentes e fãs, estão conseguindo dar os primeiros passos em uma carreira musical que tem tudo pra dar certo.

A conversa foi no home studio montado na casa do guitarrista Leandro "Dedos de Vento" Souza. Lá, ele e o baixista Dielson, o "Di", 22, contaram um pouco da tragetória do grupo que já tem em seu currículo mais de 50 shows e até um DVD. É... o pessoal não é fraco não.

Claro que, a matéria completa o pessoal irá conferir na próxima edição do Enfoque Vila Brás e, o que por questão de espaço não couber lá, vem para o blog. Mas fico tentada em colocar aqui um pouco do que em breve estará nas ruas da Brás e por aqui.


O vídeo é um dos muitos com apresentações da banda no Youtube. E, como podem ver, a galera manda até em inglês.

Será um prazer mostrar ao mundo o que esses meninos fazem por lá.

29 de ago de 2009

Histórias de Vida

Buenas,
Sou Pedro Foss, aluno da Cadeira de Redação Experimental em Jornal, da Unisinos, e nunca escrevi em blog na minha vida.
No último sábado (dia 29) fui, juntamente com a turma, à Vila Brás cobrir as pautas para o Jornal Enfoque Vila Brás (desse semestre).
Além disso, realizei juntamente com a colega Bárbara Keller, uma grande reportagem em audiovisual. Na verdade, queremos dar uma nova cara para a Tevê Enfoque, que faz parte do Blog do Jornal. A cada ida a Vila, será feita uma nova edição do programa (12 min. em média), relacionado a “histórias de vida”, de pessoas que moram, passam ou passaram pela Vila Brás.
Ambos nos identificamos, Bárbara e eu, com a produção audiovisual. Eu já passei por algumas TV´s como editor não-linear, enquanto a Bárbara já fez trabalhos como atriz e é uma ótima repórter! Foi muito bom trabalhar com ela.
Por mais que não dispuséssemos de recursos avantajados para uma super produção, conseguimos nos divertir com o nosso “Profissão Repórter”, e foi feito o possível para transmitir, da melhor maneira possível (dentro dos nossos recursos) as três histórias contadas.
Pode parecer engraçado, mas fazia muito tempo que não tinha contato com pessoas de tamanha humildade, que no final das contas, nos fazem perceber que se os homens tivessem dentro da alma a humildade e a gratidão, viveriam em perfeita paz. E é por isso que o orgulho divide os homens e a humildade os une.
Espero que gostem da primeira edição, desse semestre, do Tevê Enfoque Vila Brás, por PEDRO FOSS e BÁRBARA KELLER.
Em Breve!

Uma manhã cheia de surpresas

A manhã de hoje superou minhas expectativas de trabalho. Conheci pessoas incríveis, com histórias de vida surpreendentes e com muitas lições a nos ensinar. Ouvi muito e de tudo. Moradores com problemas que nem passam minha cabeça, pois vivo em outra realidade. Ao ver uma família que convive diariamente com esgoto a céu aberto em seu quintal fiquei com vergonha. Não posso reclamar de nada.
Relatos inspiradores também fizeram parte da tarefa de hoje. Vieram de pessoas que superaram dificuldades econômicas com muito esforço e criatividade, sempre em busca de uma vida melhor para suas famílias.
Em breve, essas e outros relatos estarão nas páginas do Enfoque. Bom trabalho a todos!

Sobre a importância de se estar na cena

Por que é importante ao repórter/à repórter estar presente onde os acontecimentos se realizam?

Entre outros porque sua presença no "local da cena" geralmente amplia, e muito, o conteúdo do assunto que ele(a) está trabalhando.

A amplitude, muitas vezes, se dá por meio de percepções que, somadas às informações "duras" (o quê? quem? quando? onde? como? e, finalmente, por quê?"), geralmente emprestam novos matizes às matérias, fazendo com que elas se tornem mais vivas, mais interessantes.

Quando isso acontece; quando as matérias se tornam mais vivas, as chances de que sejamos lidos/ouvidos/vistos, objetivo primeiro de nosso trabalho, aumentam substancialmente.

É o que nos sugere o depoimento de Michele Aguiar, realizado ao final da primeira saída à Brás, na manhã de sábado, 29.

video

As estrelas da Brás


Último sábado de agosto. Clima de verão em pleno inverno. Um grupo composto por quarenta alunos de jornalismo, câmeras fotográficas, filmadoras, blocos e canetas. Foi com este cenário que partimos para a Vila Brás.

No caminho, discutimos ideias de pautas, mas, na realidade, não sabíamos se elas conseguiriam ser apuradas. Quinze minutos depois chegamos à avenida principal. Um a um descemos a passos lentos do ônibus e, timidamente, começamos a conhecer a Vila.
Organizamos-nos em trio (Daniela, Juliana e Rodnei) e fomos atrás das histórias escondidas naquelas centenas de casas e comércios. A primeira entrevista que fizemos foi em uma oficina de bicicletas. Raquel Correia, 10 anos, e seu padastro, Moacir de Almeida, 49 anos, que estavam no local, foram muito receptivos.

Através deste primeiro contato entendi a empolgação do Prof. Demétrio ao falar da Vila Brás. E assim seguiu durante toda a manhã. As três horas que ficamos na Vila foram poucas, pois quanto mais escutávamos os moradores, mais queríamos conhecê-los.

Quando estávamos voltando a o ônibus, paramos para conversar com um vendedor ambulante e mais que rápido ele disse “Já me entrevistaram e até tiraram foto. Estou ficando famoso”. Alguns metros a frente entramos em uma locadora e ouvimos a mesma coisa do atendente “Já é o terceiro grupo da Unisinos que vem aqui hoje. Estou me sentindo uma estrela.”

Este atendente tem razão, ele é mesmo uma estrela, assim como os 14 mil habitantes da Brás, e o Jornal Enfoque o único meio de comunicação que faz estas pessoas se sentirem valorizadas.

As conversas que tivemos nesta manhã com os moradores estão interligadas entre si, pois falam de batalha e esperança de uma vida melhor. Muita esperança. A Fernanda, 2 anos, resume o que vimos na Vila. Mesmo com as dificuldades enfrentadas diariamente estas pessoas têm um brilho único no olhar. O sorriso que irradia na face da Fê é o retrato das estrelas da Brás. É deste brilho que o bom jornalismo é feito.

Uma manhã digna de nota

A foto aí de cima registra o momento em que a moçada que está trabalhando o Jornal Enfoque Vila Brás neste semestre se preparava para retornar às suas casas, depois de uma ensolarada manhã de sábado à cata de boas matérias.

A julgar pela reunião de pauta que realizamos na noite anterior, e pelo vigor e entusiasmo que todos se dedicaram às suas tarefas, adianto que a primeira edição do Enfoque deste ano, prevista para daqui a três semanas, vai bombar.

O que se viu foi jornalismo de qualidade se realizando desde a etapa de formação, o que fatalmente redundará em (mais) um Enfoque Vila Brás digno de nota para todos que por meio dele dialogam.

Maior orgulho de vocês, galera!

28 de ago de 2009

Tempo será auspicioso amanhã

Gente, para amanhã, sábado, nossa primeira saída à Brás, a previsão é de tempo muito bom para São Leopoldo.

Segundo o serviço de meteorologia do UOL, a mínima será de 16ºC e a máxima de 30ºC. Já a sensação térmica oscilará entre 12ºC e 30ºC.

Ou seja, fresquinho pela manhã; aquecendo ao longo do dia até ficar bem quente.

No mais, roupas leves, bronzeador para os que têm pele clara e a garrafinha d'água aquela para quando secar a garganta. O mate eu levo.

Grande abraço a todos.

27 de ago de 2009

Um jornal e infinitas possibilidades

É piegas, mas uma vez li em um blog ou em um site, não lembro, que o que move as pessoas não é o dinheiro nem a felicidade mas sim, a paixão. Tive a prova disso ao ser apresentada à disciplina. Por questões pessoais, sexta-feira passada não era um bom dia para se estar na universidade e assistir à aula com uma carga extra de desânimo era o mínimo esperado. Mas no decorrer da aula os professores começaram a falar sobre a Vila Brás, ilustrando com algumas histórias de vida que viraram manchetes do jornal. Não era apenas um discurso, mas sim um discurso apaixonado que tornou aquele lugar em um ponto obrigatório para se conhecer, mesmo que a disciplina não disponibilizasse isso.

E foi inevitável não se apaixonar pela tarefa mesmo antes de ela ser executada.

Confesso que os olhos brilharam com esse cantinho virtual , o blog Enfoque, que,além de possibilitar que o mundo enxergue a Vila Brás por meio do nosso olhar, me faz sentir em casa, pois sou blogueira e desde março de 2008 toco o Hit na Rede. Ou seja: incentivadora de toda e qualquer iniciativa que coloque o mundo a um clique de qualquer lugar.

Se será a paixão que irá mover esse trabalho... bom, que venha o trabalho, então.

Jornalistinha em duas rodas

Vila Brás. Quando ouvia falar nesta localidade, logo imaginava favelas, becos, estrada de chão batido e moradores famintos disputando a atenção de quem chegava no local. Minha imaginação me enganou. É uma vila muito simpática! A organização dos moradores é até exemplo para outros lugares. Feita por pessoas trabalhadoras, humildes e capazes de mudarem o ambiente em que residem.

Estive uma vez lá para distribuir jornais com o Marcelinho Garcia. De Kombi da Unisinos chegamos na Vila Brás e os olhares, evidentemente, nos cercaram. Nada de desconfiança, apenas curiosidade para saber o que estávamos fazendo pelas redondezas. Quando avistavam o jornal todos pediam para levar um ou mais exemplares para casa. "Vou levar um para o meu filho". E assim íamos de pontos em pontos parando o veículo robusto pelas ruas da Brás.

O momento mais bacana se deu ao visitar a rádio da Vila. Tinha um pequeno estúdio com locutores improvisados. Faziam o que o veículo se propunha: entreter e repassar recados dos moradores. O mais curioso é que essas mensagens eram recolhidas por um menino de bicicleta. Ele também se encarregava de buscar notícias sobre a localidade. O "jornalistinha em duas rodas".

Podemos nos inspirar no pequeno garoto para percorrermos as ruas da Vila atrás de histórias, novidades, dilemas, tudo o que puder auxiliar no desenvolvimento desta comunidade. Claro, não estaremos de bicicleta, sendo assim vamos deixar nossas pegadas na história da Vila Brás. Até sábado.

26 de ago de 2009

É sábado!

No dia 29 de Agosto será a nossa primeira saída de campo à Vila Brás. Estou entusiasmada com a idéia de ouvir as histórias que os moradores dessa vila irão nos contar.
Assim como a professora Thaís falou, na sexta-feira passada, temos que nos acostumar a fazer o Jornalismo Popular, afinal fazemos Comunicação Social. E foi justamente isso que me encantou no jornalismo. Estar mais perto das pessoas, escutar o que eles querem nos contar, a história de vida delas, isso é fascinante!
Muitas histórias já foram relatadas pelos colegas que cursaram a disciplina, em semestres anteriores. Mas há muitas outras, que ainda serão descobertas e em breve estarão nas páginas do Enfoque!
Que chegue logo o próximo sábado, para que nós, alunos da disciplina de Redação Experimental em Jornal consigamos conhecer a Vila Brás!
Nas páginas do Jornal e no blogue do Enfoque teremos a oportunidade de mostrar as vidas que só quem é morador da Vila Brás vê.
Até sexta-feira pessoal!

22 de ago de 2009

O olhar insubordinado

Moçada, se me permitem, separei, por relevante, - mas também como forma de dar minhas boas-vindas a todos -, um trecho do livro A vida que ninguém vê (Arquipélago, 2006), assinado por Eliane Brum a título de posfácio.

O excerto:

"Sempre gostei das histórias pequenas. Das que se repetem, das que pertencem à gente comum. Das desimportantes. O oposto, portando, do jornalismo clássico. Usando o clichê da reportagem, eu sempre me interessei mais pelo cachorro que morde o homem do que pelo homem que morde o cachorro - embora ache que essa seria uma história e tanto. O que esse olhar revela é que o ordinário da vida é extraordinário. E o que a rotina faz com a gente é encobrir a verdade, fazendo com que o milagre da vida é que se torne banal." (p. 187)

Observem que o texto nos fala de uma realidade que usualmente negligenciamos porque tendemos a perder, ao longo da vida, a capacidade de observar o que há de diferente nas coisas comuns.

Também sugere que, para observarmos as coisas ditas comuns, as "desimportâncias" do mundo, basta que mantenhamos nossos olhos abertos.

Por quê?

Entre outros, porque também é nelas, nas coisas comuns, que se revela a singularidade do mundo, tão cara ao jornalismo; e negligenciá-la equivale a deixar de lado, quem sabe, vidas que existem, mas que, no entanto, (quase) ninguém vê.

Tenho certeza que todos aprenderemos muito nos dias que estão por vir.

Um bom semestre a todos.

21 de ago de 2009

Começamos

Estou chegando na disciplina ! Espero que tenhamos um ótimo semestre e , certamente, aprenderemos muito todos juntos.

3 de ago de 2009

Chamada para Prêmio Adelmo Genro Filho


Repasso e-mail do amigo e colega Rogério Christofoletti, por relevante, relativo ao Prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo:

"Restam apenas sete dias para o final do prazo de inscrição para a quarta edição do Prêmio Adelmo Genro Filho de Pesquisa em Jornalismo. A premiação é concedida pela Associação Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) e é voltada a trabalhos que tenham sido elaborados durante o ano de 2008.

São três categorias: Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado. Uma quarta categoria (Sênior) é atribuída a pesquisadores com reconhecida trajetória no campo do Jornalismo.

O regulamento e a ficha de inscrição estão disponíveis no site da SBPJor, e os trabalhos devem ser enviados para o email premiosbpjor@yahoo.com.br Entre as novidades deste ano está a composição das comissões avaliadoras por três membros, e a possibilidade de envio de trabalhos de iniciação científica em co-autoria.

Os resultados têm anúncio previsto para 6 de outubro. Os vencedores de cada categoria e seus respectivos orientadores recebem seus diplomas de mérito durante o 7º Encontro Nacional de Pesquisadores de Jornalismo, em novembro em São Paulo.

Mais informações: http://www.sbpjor.org.br/sbpjor/?page_id=421

Reforçando: inscrições no PAGF 2009 até 10 de agosto!!!"